sábado, 3 de junho de 2017

Crítica literária: O Último Cabalista de Lisboa



Editor: Porto Editora
Data de lançamento: setembro 2013
Nº Páginas: 352


Sinopse: 


Em abril de 1506, durante as celebrações da Páscoa, cerca de dois mil cristãos-novos foram mortos num pogrom em Lisboa e os seus corpos queimados no Rossio. Reinava então D. Manuel, o Venturoso, e os frades incitavam o povo à matança, acusando os cristãos-novos de serem a causa da fome e da peste que flagelavam a cidade. Berequias, sobrinho e discípulo de Abraão Zarco - iluminador e membro respeitado da célebre escola cabalística de Lisboa -, vai encontrar o tio e uma jovem desconhecida mortos na cave que servia de templo secreto desde que a sinagoga fora encerrada pelos cristãos-velhos. Um valioso manuscrito iluminado também desapareceu do seu esconderijo. Estarão os dois incidentes relacionados? Terá sido um cristão ou um judeu, como os indícios fazem crer, a assassinar o tio? Quem será a rapariga morta? Publicado originalmente em Portugal, "O Último Cabalista de Lisboa" é um extraordinário romance histórico, que catapultou o seu autor para um sucesso internacional, tendo sido publicado em toda a Europa, nos Estados Unidos e Brasil, onde depressa se tornou um bestseller.*  


Opinião: 

Este livro foi-me dado por uma amiga. Ao ler o titulo, pensei que ia ser um livro cheio de misticismo mas estava enganada. A historia fala de uma época negra para os judeus que pensavam estar a salvo em Portugal mas as perseguições existiam em todo o lado. 

Berequias é o herói que procura saber quem assassinou o seu tio e onde está o seu irmãozinho que foi levado durante a confusão instalada na cidade. A busca leva-o a vários becos sem saída e no fim, as respostas ficam aquém das expectativas. 

É uma leitura pesada, porém interessante para quem quer saber mais sobre uma época que tanto católicos como judeus, pretendem esquecer. Eu pelo menos desconhecia completamente essa fase do nosso país e fiquei surpreendida com as coisas que li.

Pontuação: 3.5/5


*Sinopse tirada deste site.

26 comentários:

  1. Parece ser interessante.
    Um abraço e bom fim-de-semana

    ResponderEliminar
  2. OLá, Aninhas!

    Não conheço nem autor, nem livro e o título "disse-me" logo que era "coisa da pesada" (rs).

    É um romance histórico, concluo, para ser lido, faseadamente e com curiosidade.

    Os Judeus, aqui, e em mtos outros sítios não foram nada bem tratados, mas no nosso país até houve judiarias, bairros onde viviam só judeus, tal como mourarias, onde viviam só árabes, daí a Mouraria, em Lisboa.

    Beijos e bfds.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, Ceuzinha!

      Eu também nunca tinha ouvido falar nele até pegar no livro e procurar saber mais sobre o autor. O Richard Zimler é um judeu americano que veio para Portugal morar com o companheiro há alguns anos. Já lançou alguns livros com sucesso lá fora e este é mais um deles.

      Não entendo a perseguição desde sempre feita aos judeus. Por volta de 1500, havia muita fome e doenças em Portugal e a igreja culpava-os por tanta desgraça. Claro que a população maioritariamente católica ia na conversa e desataram a matar judeus a torto e a direito.
      Eu não conheço nenhum judeu pessoalmente e até gosto de algumas das suas tradições e costumes (outras acho um exagero).

      Have a nice weekend!
      Kiss kiss

      Eliminar
    2. Olá, Aninhas!

      Estás bem? E a tua mãe como tem andado?

      Pois, Judeu americano k veio morar com o companheiro (de escola?) para o nosso país há alguns anos. Entendi (rs).

      Nem eu, até pke o Judaísmo é o Cristianismo na sua forma mais pura e ancestral, embora tenham assim umas "manias", umas tradições, que não entendo lá mto bem. Aquela toca (será toca, o nome daquilo?) k usam na cabeça deve ter alg. significado. Não achas? Tenho aqui, mesmo atrás de mim, na estante do escritório uma colação de livros sobre "História das Religiões", mas estou com preguiça de ir pesquisar, pke estou very tired, mas pra semana, vingo-me (rs). 3ª feira, encerro o blogue e só devo voltar em setembro, falando o meu poema de obras, pinturas e pó (rs).

      Efetivamente, assim foi, mas isso foi tacanhez do nosso povo e fruto da época, tb.

      Nem eu, mas olha que gostava de conhecer e até saber coisas sobre a sua forma de viver. Eu tive uma comentadora brasileira, k já fechou o blogue, cujo namorado era judeu e ela católica e dizia-me que ele era mto cuidadoso e carinhoso, sem deboche, em relação a ela e não gostava de excessos, de nenhuma espécie. Leva-me a crer k ela terminou com o blogue, a pedido dele, talvez... não sei.

      Have a good and a lovely night.

      Bises, ma chérie.

      PS: já não devo passar por aqui, até ir embora. Desejo-te uns dias felizes e umas férias (estás há mto de férias, eu sei) mto boas, com saúde e sossego, sobretudo.

      Eliminar
    3. Olá, Ceuzinha!

      Estou bem, e a menina?
      A minha mãe está "estável" como diz a médica, o que significa um "mais ou menos". Merci.

      Se há coisa que eu acho curiosa é um judeu ter um companheiro! Nada contra mas é que os judeus são cheios de regras e tradições tão antigas que não devem olhar com bons olhos as preferências sexuais diferentes. Ainda por cima vem o moço e o seu amigo morar para Portugal que é um país tão conservador? Haja coragem (ou estava terrivelmente mal informado na altura)! ahahah

      Li algures na net que a casa de um judeu é uma espécie de templo, onde tudo tem de estar em harmonia, limpo e arrumado. Até valorizam mais a casa do que o lugar de orações porque no final das contas, é em casa que se passa mais tempo.

      O que eles usam na cabeça chama-se quipá (ou no original kipá) que serve para nunca esquecerem que devem ter sempre temor a Deus. Não é obrigatório mas os mais velhos usam (li isto na net).

      Lá está, o excesso de conservadorismo também produz um controle exagerado sobre os outros, principalmente as mulheres. Se ela apagou o blogue porque quis, fez bem. Agora, apagar porque o marido não quer, já acho mal.

      Só voltas em setembro?! Isso é que vão ser obras! E enquanto a casa fica de pernas pró ar, vais ficar sem net? Vais juntar o útil ao agradável e agarrar num jeitoso de olhos verdes, levá-lo para uma ilha deserta e desfrutar de uns dias de relax sem ninguém para chatear n'est pas? Fazes muito bem e eu não faria melhor ahahah

      Boas férias com muita saúde, amor e descanso.
      Kiss kiss

      Eliminar
    4. Olá, menina Aninhas!

      Estou bem, obrigada, mas com "n" coisas pra fazer avant mes vacances.

      Ainda bem k your mother está estável. O estado dela reflete-se em todos vocês aí de casa.

      Tb tenho imensa curiosidade por este povo e pensei que não lhes passaria pela cabeça gostar do mesmo sexo, tal como os Árabes, mas afinal há poucos, mas há.

      São como os alentejanos. A nossa casa tem de estar exteriormente muito caiada, pintada de branco e interiormente, "capaz de se lamber mel", expressão k utilizamos e k quer dizer mto limpa, apetitosa, imaculada e apetecível.

      Não sabia o nome do "mini boina", que usam os Judeus, sobretudo os mais velhos, mas merci pela pesquisa.

      Pois, eu nunca o faria. Tentaria conversar com o amado (rs), fazendo-lhe entender k isto é virtual, mas o blogue dela tinha "Aviso de Conteúdos", mas nada k chocasse, nem em linguagem, nem em imagens, em minha opinião, embora mto caliente e ela "dava-se" mto nas repostas aos comentadores e tu sabes como é o cérebro dos homens, sobretudo a partir dos 50, qdo começa a "decadência".

      Penso k sim. Queres cá vir ajudar? Não, não, pke eu quero assistir a todos os trabalhos, do princípio ao fim, embora já tenha falado e contratado uma empresa pra ir limpando e arrumando as coisas (que coisa tão cara!!!!!!!), sim, pke as mobílias vão ser todas colocadas no centro das divisões e eu, como calculas, não tenho forças pra isso e mais, as louças k estão dentro e fora dos moveis vão ser todas limpas e lavadas, depois do móveis limpos interiormente e lá recolocadas. A minha casa é um T4, portanto, mega pequenina (rs).

      Uma ilha? Jamais. Rodeada de água por todos os lados? Gosto de cidades quentes e no interior, por isso é k vou para o Alentejo, e de jeitosos de olhos verdes, nem se fala, mas este ano tenho de dar prioridade à casa (até parece k nos anos anteriores tenho andado cada verão com um tipo. Não, sou conservadora, mas livre conscientemente.

      Muito obrigada e para ti, desejo o dobro.

      Baisers, ma chéri et à bientôt.

      Eliminar
  3. Bela indicação parece ser bem interessante te convidando para conhecer a nossa www.hellowebradio.com ... desejo inclusive de, na medida do possível, fazer por merecer acolhimento de recado seu por lá.
    Cadinho RoCo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Cadinho!
      Já passei pela sua rádio e deixei mensagem. Parabéns pela iniciativa!
      Abraço

      Eliminar
  4. Ando sem paciência para ler. Filmes vejo, leitura folheada eztou amodos que desalentada
    Kis :=}

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tem dias assim Gi. Eu levo meses para pegar num livro mas depois de ler a primeira página, tenho de acabar tudo em 3 dias no máximo. Só custa começar.
      Kiss

      Eliminar
  5. Belíssima obra, Ana!
    Que eu não a conhecia.
    Seja cabala ou magia,
    Toca na alma humana.

    Parece ser soberana
    Tal obra que alumia
    O escuro, a fazer-se dia
    Em luz a face tirana

    Da própria religião
    Vendo judeu e cristão
    Como humano e animal.

    Conturbada inquisição
    Parte negra. Por que não
    Mostrar o bem e o mal?

    Grande abraço. Laerte.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, Laerte!
      É a eterna luta entre o bem e o mal, o certo e o errado. No caso, vemos os judeus como vitimas inocentes, alvo do preconceito e da tirania de outros.
      Abraço!

      Eliminar
  6. Cativou-me o tema, bastante forte!
    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, é um tema bastante forte e ainda atual infelizmente, Ana.
      Beijinhos

      Eliminar
  7. Oi, Ana,
    Creio que não beberei uma gota deste romance. Há uma pilha deles na minha cabeceira depois da reorganização dos meus alfarrábios, além das pilhas de discos redescobertos. Estes para ouvir, é claro. (rsrs).
    Passei aqui para beber uma gota da sua simpatia, do seu humor, do seu calor humano. Para desejar-lhe uma boa semana, ainda há tempo para fazê-lo.
    Beijos, Ana!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, Carlos!
      Ai pilhas de livros precisam ser consumidas antes de poder juntar outros à lista.

      Discos de vinil? Bons tempos esses (porém nada práticos devido ao volume que ocupam)! rsrs

      Beijos

      Eliminar
    2. Oi, Ana,
      As listas são sempre renovadas à medida que vão sendo lidas. O melhor da minha pilha que alguns são originais para editá-los.
      Os discos de vinil são uma parte dos alfarrábios (risos)!
      Um bom final de semana, Ana!
      Beijos,

      Eliminar
  8. Respostas
    1. Olá, Teresa.
      É sempre bom descobrir novos livros, ainda por cima quando é um tema quase tabu!
      Beijos

      Eliminar
  9. Já quis muito ler esse livro, quando foi lançado. Interessou-me.
    Mas agora ando a ler muito pouco.
    Quando tenho tempo livre tenho os meus vícios... um jogo online que mal funciona porque a net é retardada e o blogue. Ler comentários, fazer comentários, falar no chat... Enfim. A tecnologia e as suas atracções!

    Comecei a ler um livro há uma semana que me está a agradar. Mas não voltei a ele porque sei que, quando leio, quero ir sem ter de parar. E eventualmente isso implica que não poderei ir à net. Então tento fazer as duas coisas mas a net é sempre aquela coisa... Uma coisa puxa a outra, surge um vídeo, um comentário, tu vais ver, vais comentar... E passa-se o tempo.

    Mas o livro está ali. Eu sei disso e por vezes trago-o comigo na mala naquela esperança de que, se calhar, vou parar um bocado para o ler.

    Um Abraço
    E faz mais postes - não sei porquê escreves tão pouco. Sei que deves ter muito sobre o que falar :)
    Kiss

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ah pois é! A net tira qualquer vontade de ler um livro. Eu tenho um azar danado: sempre que me dão um livro, o pc avaria. Só pode ser de propósito para ler o livro ahahaha

      Escrevo pouco mas comento muito. Sofro de preguicite crónica. Não é falta de vontade, é só falta de pachorra mesmo ahahah
      kiss

      Eliminar
  10. PS:
    A feira do livro está a ocorrer em Lisboa esta semana.
    Se estivesse na capital desta vez ia.
    Não que eu acredite muito nos descontos e promoções - acho que os livros já são caros demais e nem com desconto merecem muito a pena (Ahahah, sou forreta, será isso? Não acho que tenho outra maneira de ver o valor do papel).

    Vi um anunciado que me deu água na boca. Este: http://www.tintadachina.pt/book.php?code=35d4c8d1a5e86b6bd18cfc233608e2cc&tcsid=6eihel1glrmcgvlmb3iesp5a00

    O título foi bem escolhido.
    Estão sempre a querer re-inventar obras de Pessoa.
    Esta deixou-me bem curiosa...

    E não me importava de ter mais coisas de Pessoa. É um poeta tão peculiar. Contudo, dele, só tenho poemas que obtive por leitura na escola. Se estivesse agora em Portugal ia já agarrar uns livrinhos de poemas que foram criados para o estudo e procurar pessoa :)

    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olha parece-me bem interessante! Como interpretar narizes? Ui, deve ser engraçado. lol

      Eliminar
    2. Na mente de Pessoa?
      Claro que pode!!

      Pelo menos acho que é por aí que fizeram a obra. Geralmente não olho 2 vezes a este tipo de lançamento que procura continuar a tirar »leite da vaca morta». Mas entre muitos interesseiros, de vez em quando sai algo interessante, fruto da paixão e do gosto.

      Claro, digo isto mas não sei se se aplica a esta obra :)

      Boa semana!

      Eliminar