terça-feira, 1 de agosto de 2017

O direito de saber

Sempre que as aulas começam, os alunos teem de preencher uma ficha com o seu nome, morada e os respectivos dados dos pais. Tudo corria normalmente e o silencio na sala não existia até ao momento em que uma das nossas colegas foi interrogada pela professora:
- Porque não colocaste o nome do teu pai?
A jovem com um sorriso amarelo disse:
- Porque não sei quem ele é...
O barulho que um minuto atrás era normal, foi substituido por um silencio incomodo e limitamo-nos a olhar uns para os outros com ar de espanto. 
Como é que alguém pode não saber quem é o seu pai? Se não vivesse com ele, se ele tivesse abandonado a mãe (mesmo durante a gravidez), até seria relativamente normal mas não saber quem ele era causou-nos uma estranheza com a qual não sabíamos lidar. Talvez por isso nunca falamos nesse assunto com ela.

Quando o Cristiano Ronaldo comprou uma barriga de aluguer para ter o filho, fiquei triste. Triste não só pelo ato desumano que é pagar para ter uma pessoa mas triste também porque aquela criança nunca vai saber quem é a mãe. E o não saber quem é o progenitor deve ser um trauma para a vida. Imagino o que é olhar para uma mulher na rua e pensar: será aquela a minha mãe? humm... aquela tem o cabelo igual ao meu! Será ela?
O problema do contrato feito para ter um filho, é a exclusão automática da mãe da criança ao acompanhar da sua vida. E não é uma tia, avó, irmã, etc que vão substituir esse papel. Mesmo que a mãe seja a pior das criaturas: uma prostituta, toxicodependente, assassina ou ladra é bom saber quem ela é. É um direito básico de qualquer ser humano saber quem são os seus progenitores mas atualmente o dinheiro fala mais alto e a ética e os valores morais não existem quando um ego é do tamanho do mundo. 
Por isso quando o doutor Gentil Martins disse que: "O Ronaldo é um excelente atleta, tem imenso mérito, mas é um estupor moral, não pode ser exemplo para ninguém. Toda a criança tem direito a ter mãe" concordei com ele. Não vai ser o Ronaldo que vai sofrer quando o filho for para a escola e na hora de dizer o nome da mãe, tudo o que se vai escutar é um enorme silencio. Não vai ser o Ronaldo que vai ser gozado pelos colegas (sim, porque as crianças podem ser muito cruéis) quando as mães dos amiguinhos forem buscá-los à escola e ele, na melhor das hipóteses, vai ter uma tia ou uma avó.

domingo, 16 de julho de 2017

Hola!

Recentemente recebi uma visita duma blogger espanhola e dei por mim a pensar numa situação ocorrida comigo há uns aninhos atrás. Vou explicar:
Eu era fã do Ricky Martin e comprei todos os cd's que podia. Entretanto, os anos passaram e a febre pelo moço desvaneceu. Anos depois (em 2005 creio), eu estava na net a jogar snooker online quando falo com um jogador mexicano. Ele diz que eu falo bem espanhol e pergunta onde aprendi e eu disse-lhe que era ao ouvir as musicas do Ricky Martin. Ele pergunta-me se eu gostava dele e eu disse que sim e solta a bomba: "mas sabes que ele é gay, não?" Se ele tivesse perguntado isto há uns anos atrás, eu soltaria todas as pragas do Egito (ai céus, Egito sem o p) em cima dele mas só lhe disse que não acreditava nisso (povo enganado!). Então ele diz que um amigo de um amigo do filho dele, foi convidado para ir ao quarto de hotel do cantor para um encontro sexual. Não sei se a historia era verdade ou não mas a parte dele ser gay foi confirmada pelo próprio em 2010. 
E o que tem esta historia a ver com a blogger? Meu povo, a falta do Ricky Martin na minha vida diminuiu drasticamente a qualidade do meu espanhol e tive de valer-me do tradutor online para responder à minha visitante. Não sei se correu lá muito bem mas na dúvida faço como o Pablo Alboran e digo: perdóname! 😄

sexta-feira, 14 de julho de 2017

Deve ser do calor...

...mas andei a ter sonhos indecentes com este:
imagem do site http://gshow.globo.com/
e este:
imagem do site https://blog.beard.com.br/
Ai a minha vida a dormir é bemmm mais interessante do que acordada. 😁

sábado, 1 de julho de 2017

Porque hoje é dia 1

Amigas e amigos,
Escrevo-vos esta carta para dizer que não há novidades.
O calor aperta, a preguiça aumenta e os neurónios fritam. Volto assim que a onda de calor acabar ou quando vocês menos esperarem.
Abraços e beijos.

Viciei nesta musica:

terça-feira, 13 de junho de 2017

Dizem que é para melhorar

A junta de freguesia é responsável pelas pequenas obras no local onde preside. Como tal, as veredas limpas, os caminhos livres de ervas daninhas e pequenas obras de reparação como tapamento de buracos com cimento, são da sua responsabilidade. Ultimamente tenho visto o "empenho" da junta em melhorar (dizem eles) o acesso para pessoas com pouca mobilidade. Ora como toda a gente sabe, a nossa ilha é cheia de inclinações e casas onde só foram construídas veredas pedonais porque era impossível o acesso automóvel. Essas veredas são normalmente inclinadas e cheias de degraus. Uma pessoa com dificuldade para subir um degrau, vê a tarefa de sair/chegar a casa tremendamente dificultada. Se estiver numa cadeira de rodas então é missão impossível. A junta tem colocado varandas de ferro junto às escadas. Cada varanda é "inaugurada" com direito a fotos no facebook como se tratasse de uma obra de arte. Dizem eles que é feita para melhorar o acesso às pessoas com mobilidade reduzida mas pergunto eu: para que serve uma varanda se a vereda está cheia de degraus e uma pessoa numa cadeira de rodas não a consegue subir nem descer sozinha? Melhorar e promover a independência de quem vive com dificuldades motoras, é construir rampas ao invés de degraus. Tudo o resto não passa de publicidade enganosa para fingir uma preocupação inexistente e disfarçar a incompetência de quem está no poder.

sábado, 3 de junho de 2017

Crítica literária: O Último Cabalista de Lisboa



Editor: Porto Editora
Data de lançamento: setembro 2013
Nº Páginas: 352


Sinopse: 


Em abril de 1506, durante as celebrações da Páscoa, cerca de dois mil cristãos-novos foram mortos num pogrom em Lisboa e os seus corpos queimados no Rossio. Reinava então D. Manuel, o Venturoso, e os frades incitavam o povo à matança, acusando os cristãos-novos de serem a causa da fome e da peste que flagelavam a cidade. Berequias, sobrinho e discípulo de Abraão Zarco - iluminador e membro respeitado da célebre escola cabalística de Lisboa -, vai encontrar o tio e uma jovem desconhecida mortos na cave que servia de templo secreto desde que a sinagoga fora encerrada pelos cristãos-velhos. Um valioso manuscrito iluminado também desapareceu do seu esconderijo. Estarão os dois incidentes relacionados? Terá sido um cristão ou um judeu, como os indícios fazem crer, a assassinar o tio? Quem será a rapariga morta? Publicado originalmente em Portugal, "O Último Cabalista de Lisboa" é um extraordinário romance histórico, que catapultou o seu autor para um sucesso internacional, tendo sido publicado em toda a Europa, nos Estados Unidos e Brasil, onde depressa se tornou um bestseller.*  


Opinião: 

Este livro foi-me dado por uma amiga. Ao ler o titulo, pensei que ia ser um livro cheio de misticismo mas estava enganada. A historia fala de uma época negra para os judeus que pensavam estar a salvo em Portugal mas as perseguições existiam em todo o lado. 

Berequias é o herói que procura saber quem assassinou o seu tio e onde está o seu irmãozinho que foi levado durante a confusão instalada na cidade. A busca leva-o a vários becos sem saída e no fim, as respostas ficam aquém das expectativas. 

É uma leitura pesada, porém interessante para quem quer saber mais sobre uma época que tanto católicos como judeus, pretendem esquecer. Eu pelo menos desconhecia completamente essa fase do nosso país e fiquei surpreendida com as coisas que li.

Pontuação: 3.5/5


*Sinopse tirada deste site.